quinta-feira, 5 de março de 2009

A dùvida se devemos amar

Passei a vida toda pensando em você
Passei  o dia todo pensando em como seria te ter
Ter a vida ou o dia a sós com você

A solidão quando se tornou real
Fez o antigo sonho parecer irreal
O desejo de te ver passou a ser meu último dever

Ao ter ver sorrindo para mim
Pude ver a dor, a tristeza e a solidão
Mas ao mesmo tempo...
A calmaria que brilhava na escuridão
O brilho que me encantou
fascionou...

Ao ouvir-te falar sobre o quanto me amava
Mas o quanto tinha medo de amar-me

Soube que o amor que me fascinou
Me encantou...
Me apaixonou...

Me fez perceber que o brilho dos seus olhos
Que me encantou
Nada mas era que o brilho do amor

O desejo que tinha de amar e ser amada
Agora...
Não era nada
Apenas o brilho de nossos olhos que se encontraram.

Pi

Um comentário:

Ju disse...

Ai, que poema (ou o que quer que seja) lindoooooooooooooo *-*
Me lembra muito o Edward no livro Midnight Sun!!!
Bom, obrigada pela visitinha, e volte sempre que quizer
bjuss